Infelizmente ainda teremos que esperar algumas gerações até que não seja mais necessário lutar contra a homofobia. O lado bom (sempre tem um) é que muitas grandes marcas, brasileiras e também mundiais, estão se declarando favoráveis à causa. Vamos conversar um pouco sobre quanto isso ajuda e conferir uma lista de grandes marcas que defendem a luta contra homofobia!

Por que 17 de maio é o Dia Internacional de Combate à Homofobia?

Nós lutamos contra a homofobia na data de hoje (17/05) porque esta também foi a data em que a homossexualidade foi excluída da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID). Agora vêm as constatações mais chocantes:

a) Essa classificação pertencia à própria Organização Mundial da Saúde (OMS);
b) Isso ocorreu em 1990.

1990, gente. Vocês conseguem acreditar que, até 27 anos atrás, nossos pais consideravam homossexualidade como DOENÇA porque a Organização MUNDIAL da Saúde dizia isso? É quase inacreditável, mas essa realidade existiu e nós vivemos no que se seguiu dela.

Às vezes, as pessoas que mais expressam sua homofobia são nossos pais, tios, irmãos ou avós, não é? Não sei você, mas chega a doer quando vejo alguém muito querido disfarçar preconceito de opinião, seja por cultura, ideologia ou crença. E como tentar fazer esses amados entenderem que o mundo mudou, sem assar torta de climão? Existem muitas maneiras, mas, por tentativa e erro, acabei elegendo duas favoritas para mim:

1) Entendendo como a cabeça do preconceituoso funciona.

A verdade é que somos privilegiados, sob o ponto de vista do acesso à informação e contato com pessoas diferentes. A globalização e o boom tecnológico conectou toda a população de uma maneira que nossos pais ou avós nem sonhavam ser possível. Na fase em que todo ser humano começa a formar sua opinião e se descobrir como indivíduo, o mundo deles era beeem limitado. Portanto, aceitar o novo é bem mais difícil pra eles do que é para as gerações mais jovens.

Eles foram criados num mundo que dificultava a busca por respostas. Em geral, eram levados a depositar sua confiança em professores, pais, avós, livros, revistas e, posteriormente, a televisão.

2) Provando que o mundo mudou.

“Ah, eu tô nem aí pro que as marcas apoiam ou deixam de apoiar”. Olha, eu também, viu? Mas, na época dos nossos pais, a única noção mais ampla de mundo era a exibida pela mídia, o que levou uma grande massa de pessoas a seguir o que era dito pela publicidade. Ainda hoje, o posicionamento de uma marca conceituada causa impacto em quem cresceu com essa visão. Talvez seu pai, seu tio ou seu avô só precise ser convencido de que o mundo mudou.

Além disso, as campanhas de mídia amplificam as vozes dessa luta, somam forças, aumentam o alcance, conversam com um número incalculável de pessoas de diferentes opiniões. Acho que todo brasileiro conhece o ditado: a união faz a força.

Quem sabe, no futuro, as pessoas não percebem que são minoria e começam a pensar antes de usar seu “direito à opinião” para restringir os direitos dos outros?

(Logicamente, salvo de todo este discurso as pessoas que parecem ser homofóbicas por esporte. Para esses, deixo o eco da própria consciência.)

Lista de grandes marcas que defendem a luta contra homofobia

Se você tem algum familiar, amigo ou colega homofóbico querendo agitar um boicote no dia de hoje, facilitamos muito a vida dele! Afinal, ninguém é obrigado a nada, certo? Segue abaixo uma lista com várias grandes marcas que defendem a luta contra homofobia, pra ninguém perder tempo pesquisando no Google (até porque o Google está na lista):

Absolut Vodka
Adidas
Amazon
Apple (adeus Macbook, iMac, iPhone, iPod…)
Avon
Banco do Brasil
Ben&Jerry’s (essa vai ser bem difícil boicotar)
Bonafont
Burger King
Chevrolet
Coca-Cola
Colgate-Palmolive
Danone
Disney (não adianta recorrer à PIXAR)
Dell
Dropbox
E-Bay
EA Games (The Sims, Sim City, FIFA, Battlefield…)
Facebook
Fiat
Ford
Gol Linhas Aéreas
Google (desista de Gmail, YouTube, Drive, Google Agenda, Hangout, Google Maps, sistema Android, navegador Chrome e tudo o mais)
Groupon
Halls
Heinz
Hershey’s
Intel (sim, esse do seu computador)
Itaú
Johnson&Johnson
Kellogg’s (sim, aquele do sucrilhos)
L’Oréal Paris
Natura
Netflix
Nebacetin (sabe aquela pomadinha da tatuagem? Então…)
Nike
Mastercard
McDonald’s
Microsoft (Outlook, Word, Excel, PowePoint, Skype, Bing, Internet Explorer, Xbox, sistema Windows, Windows phone…)
Mondelez (Lacta, Oreo, Trident, a lista de submarcas é bem longa)
Motorola (pertence à Lenovo)
O Boticário
Pepsi (não se esqueça dos salgadinhos Elma Chips e do seu Toddynho)
Ponto Frio
Procter & Gamble (você deve conhecer como Always, Ariel, Gillette, Hipoglós, Mach3, Oral-B, Pantene, Pampers, Vick Vaporub…)
Ray-Ban
Renault
Skol
Smirnoff
Sonho de Valsa
Starbucks
Toyota
Twitter
Unilever (eita que a lista é grande: Axe, Becel, CloseU, Dov, Hellmans, Lux, Omo, Rexona e mais uma infinidade)
Unimed
Visa
Walmart (também inclui hipermercados Big, Bompreço, Maxxi Atacado, Mercadorama, Sam’s Club…)
Yahoo!

Bom, aqui estão apenas as que considerei mais presentes no cotidiano, pra você colar na timeline desse seu familiar ou amigo que anda falando em boicote hoje. Sabe como é, só pra ajudar.

Se quiser conferir uma lista ainda mais completa, esta do blog Lado Bi consta 379 marcas que são favoráveis ao casamento igualitário nos Estados Unidos. Muitas não são conhecidas aqui no Brasil, mas fica a dica pra quem tem curiosidade.

Campanhas brasileiras que apoiam a luta contra homofobia

Se quiser espalhar muito amor pelas redes com a ajudinha de alguns vídeos bem produzidos, também separei três campanhas bem legais de empresas que apoiam o combate à homofobia:
Campanha da All Out, que defende mundialmente os direitos LGBT, chamando atenção para o fato de que gays ainda são proibidos de doar sangue no Brasil. Em que ano estamos???!!??

Campanha de Dia das Mães da Gol, 2015, com uma família linda formada por dois papais.

Campanha da Netflix que quase me fez chorar sobre a importância da representatividade:

 

Um dia, se Oxalá permitir, mostraremos estes vídeos aos nossos filhos e eles se chocarão, falando: “sério que na sua época vocês precisavam fazer campanha pra conscientizar as pessoas?”.

E aí, você acha essas grandes marcas que defendem a luta contra homofobia realmente ajudam no combate ao preconceito? Ou é só jogada de marketing? Você já boicotou alguma marca que se mostrou homofóbica? Deixe sua opinião!