Stan Lee é uma lenda da cultura pop. O querido quadrinista criou heróis e vilões icônicos, revolucionou o ramo de HQs, esteve por trás dos filmes da Marvel e foi (como ainda é) o rosto da editora durante muitos anos.

Você pode até não se considerar uma pessoa nerd, mas com certeza conhece, ou pelo menos já ouviu falar do Stan Lee. Afinal, quem não conhece Os Vingadores?

O lendário quadrinista não se tornou um fenômeno no mundo geek de uma hora para outra. Ao longo dos seus 95 anos, ele construiu uma sólida carreira que hoje o consagra como um verdadeiro herói para nós que adoramos este universo.

Filho de judeus imigrantes da Romênia, Stanley Martin Lieber nasceu em Manhattan, Nova York, no dia 28 de dezembro de 1922. Desde criança, ele sonhava em ser um escritor. Stanley teve uma infância humilde, e por isso começou a trabalhar cedo.

Ainda na adolescência, já trabalhava com escrita em empregos de meio turno: escrevia obituários de celebridades para um jornal local, além de panfletos para clínicas e lojas.

Apenas com essas informações, já dá para entender um pouco do seu toque pessoal aos super-heróis que Stan Lee criou, né? Bom, então acompanhe este post para conhecer ainda mais sobre o maior editor da Marvel Comics.

O início da carreira de Stan Lee

Em 1939, Stanley Martin Lieber começou a trabalhar da editora Timely Publications. Seu primeiro cargo foi de assistente, e suas tarefas incluíam buscar o almoço de seus colegas, fazer revisão ortográfica e apagar o lápis das páginas dos quadrinhos.

Com o passar do tempo ele foi conquistando mais espaço, até que escreveu sua primeira história, publicada em “Captain America Foils the Traitor’s Revenge”, com ilustrações de Jack Kirby. O lançamento aconteceu na terceira edição da HQ Captain America Comics, em maio de 1941.

Nessa história, foi introduzido o escudo do Capitão América, e foi a primeira vez que Stanley usou o seu pseudônimo Stan Lee, que mais tarde se tornaria o seu nome legal.

Captain America Foils the Traitor’s Revenge

No final deste mesmo ano, Lee foi então nomeado editor interino da Timely Publications, se tornando assim o mais jovem no ramo.

Mas a juventude tem um preço, e eram tempos de Segunda Guerra Mundial.

Soldado Stan Lee

Em 1942, Stan Lee deu uma pausa nas páginas dos quadrinhos, e se alistou no exército norte-americano. Porém, o seu período como militar também foi contemplado com a escrita.

No exército, Lee escrevia manuais, criava slogans, produzia filmes de treinamento e também desenhava de vez em quando. Recebeu o título de “playwright” pelo seu posto.

Stan Lee no exército

Dois anos depois de encerrar seus serviços militares, com o fim da Segunda Guerra, Stan Lee se casou com Joan Clayton Boocok. Juntos eles tiveram as filhas Joan Célia, em 1950 e Jan Lee, que faleceu dias após o parto.

Ao longo da década de 50, Lee escreveu temas variados e cogitou desistir da carreira por desmotivação. Mas, para a nossa sorte, sua esposa Joan o incentivou a persistir e criar os heróis que ele quisesse.

Os anos de ouro da Marvel Comics

No final dos anos 50, a Liga da Justiça, da editora “Distinta Concorrência”, como Lee se referia a DC Comics, estava fazendo um enorme sucesso. Com isso, a Timelys, que então havia mudado o nome para Atlas Comics, precisava se reinventar e criar o seu próprio time de super-heróis. E esta missão foi dada a Stan Lee.

Inspirado pelo incentivo de sua esposa, Lee criou os seus próprios personagens com características até então nunca vistas nos quadrinhos: eles tinham conflitos como qualquer pessoa.

Foi então que, em 1961, vinha ao mundo a obra co-criada com Jack Kirby, O Quarteto Fantástico, um grupo de heróis formado por uma família com conflitos comuns.

Quais personagens foram criados por Stan Lee?

O sucesso de Quarteto Fantástico fez aumentar as vendas e a popularidade da editora, que agora já estava estabelecida como Marvel Comics, e esse boom inspirou Lee a criar ainda mais personagens e histórias.

Foi assim que surgiram todos estes personagens que amamos:

  • O Incrível Hulk;
  • O Homem de Ferro;
  • Thor;
  • Os X-Men (inspirados pelo movimento dos Direitos Civis dos negros) e Os Vingadores, em parceria com Jack Kirby;
  • O Demolidor em parceria com Bill Everett;
  • E em parceria com Steve Dikto, criou o Doutor Estranho, e o que seria seu maior sucesso, o Homem-Aranha.

Seus heróis não eram perfeitos. Entre outras coisas, eles precisavam de dinheiro, possuíam falhas e até deficiência. Enquanto os seus vilões também não eram 100% maus, existia um contexto e circunstancias que os tornavam questionáveis.

Estes elementos foram essenciais para que o público se identificasse cada vez mais com as HQs da Marvel.

Durante a década de 60, Stan Lee foi o responsável pela maioria dos quadrinhos publicados, além de outros projetos. Com isso, ele se tornou o rosto da Marvel Comics, e representava a editora em entrevistas e convenções. Fato que acabou gerando polêmica em torno da editora.

A revolução na criação dos quadrinhos

Stan Lee não só deu uma nova característica aos super-heróis, como também revolucionou o modo de criar uma história em quadrinhos.

Com a alta demanda, devido ao sucesso da Marvel Comics, Lee originou um método rápido de criar novas histórias: ele escrevia um roteiro básico, o ilustrador desenvolvia a revista com esse embasamento, e por fim, Stan Lee adicionava os diálogos.

Além disso, foi com ele que surgiram os devidos créditos ao final da edição, já que até então não existia uma regra a respeito. Lee dedicava um espaço na HQ para nomear todos os colaboradores, como desenhista, arte-finalista, letrista e colorista.

Com o intuito de aproximar ainda mais o público, ele ainda adicionava apelidos ou elogios aos nomes, e contava histórias (algumas fictícias) sobre a redação nas páginas editorias, no Marvel Bullpen.

Marvel Bullpen

Contudo, apesar disso, a editora recebeu muitas críticas por minimizar a importância dos colaboradores nas criações, já que Stan Lee era o rosto da Marvel e recebia todo o crédito por trás dos heróis quando se apresentava em eventos.

Além de revolucionar o ramo dos quadrinhos com tudo o que já mencionamos, e levantar polêmicas, Stan Lee também tinha um jeito peculiar de encerrar suas colunas. Vem entender essa história!

Excelsior!

Fãs da Marvel já se depararam muito com esta expressão, mas você sabe o que quer dizer Excelsior?

Excelsior foi o bordão criado por Stan Lee, e que passou a ser usado em praticamente todas as mídias da Marvel.

Segundo Lee, a concorrência sempre imitava as expressões que ela usava ao encerrar suas colunas nas HQs, como “Segure a onda!”. Ele afirmou em entrevista: “Então eu decidi que usaria uma expressão que eles não saberiam o que significa e não saberiam como falar. E foi aí que surgiu o “Excelsior!”, e eu nunca mais o abandonei, ainda bem!”.

A palavra Excelsior vem do latim, e significa “grandioso, majestoso, incrível, superior”.

Os filmes da Marvel

Em 1981, Lee se mudou para a Califórnia, para assim poder participar da criação dos filmes da editora, derivados dos quadrinhos.

A primeira vez que Stan Lee apareceu em um filme da Marvel, foi em O Julgamento do Incrível Hulk, de 1989. Porém, os longas não deram muito certo.

Foi a partir dos anos 2000 que a expansão do Universo Cinematográfico Marvel se consolidou, e as participações especiais de Lee ficaram mais frequentes. Confira um compilado delas no vídeo abaixo:

Além dos filmes de super-heróis, Stan Lee também fez participação especial em outras produções, como na série The Big Bang Theory. Veja ou reveja a emoção do Sheldon com esse momento épico:

Stan Lee na DC Comics?

Isso mesmo! O Stan Lee já trabalhou na DC, a editora concorrente. Mas como assim?

Bom, em 2001 a Marvel passava por maus bocados e estava falindo. Inclusive, Lee chegou a processar a editora por não pagar seus direitos autorais. Com isso, a DC Comics convidou o quadrinista para produzir uma série especial com seus principais heróis.

Stan Lee na DC Comics?

Chamada de “Stan Lee’s Just Imagine…” a série especial de HQs do Stan Lee para a DC teve 12 edições, com a versão dele para Superman, Batman, Mulher Maravilha, entre outros dos principais personagens da editora.

Umas das coisas que Lee vez ao “reinventar” os heróis da DC foi trocar os nomes deles, para que nome e sobrenome começassem com a mesma letra, como Peter Parker, por exemplo. Desta forma, o homem morcego se tornou Wayne Williams, em vez de Bruce Wayne.

Reconhecimento

Stan Lee marcou a cultura pop, nas páginas e nas telas. Com isso, em 2008 ele recebeu a American National Medal of Arts, pela sua contribuição para a nona arte:

Já em 2001, Stan Lee recebeu sua própria estrela na Calçada da Fama:

Qual o motivo da morte de Stan Lee?

No dia 12 de novembro de 2018, o mundo geek, de repente, ficou um tanto sem brilho. Aos 95 anos de idade, em decorrência de um ataque cardíaco, seguido de insuficiência respiratória, Stan Lee nos deixou.

Confira a homenagem da Marvel ao eterno quadrinista:

Homenagem Marvel a Stan Lee

Sem Stan Lee, hoje não teríamos o Homem Aranha, nem o Homem de Ferro, nem todos os outros muitos heróis e vilões que nos divertem e emocionam. Sem o Stan Lee, a cultura pop não seria tal como a conhecemos. Ainda bem que tivemos esse herói de verdade!

E você, conta aqui para gente qual das obras do lendário Lee você é mais fã?

Excelsior!