Pra que serve a meditação? É difícil? Preciso ser budista? Será que tenho tempo? Encontre aqui as respostas para essas grandes dúvidas! Separamos cinco vídeos para meditar que irão te ajudar a saber mais sobre a técnica e se conhecer mais profundamente.

Os benefícios comprovados da meditação

A prática da meditação, nomeada pelo Monge Guigo II lá no século 12, está sendo redescoberta pelas novas gerações. Workshops de Mindfulness são cada vez mais frequentes em empresas. Uma escola de Florianópolis já ensina meditação para crianças, afirmando que ajuda na disciplina dos alunos. Psicólogos indicam a prática como parte importante do tratamento. Religiosos buscam expandir a mente e sua intuição.

Um estudo da Unifesp testou os efeitos da prática em 140 idosos hipertensos, duas vezes por semana. Ao final de dois meses, a maioria afirmou ter notado melhorias na postura, na respiração e até nas dores físicas. Inclusive, 45,76% relatou melhoria nas doenças crônicas!

Outros benefícios conhecidos da meditação:

– Sensação de bem-estar
– Melhoria na qualidade do sono
– Foco
– Concentração
– Controle da ansiedade
– Redução do estresse
– Autoconhecimento
– Maior produtividade
– Aumento da criatividade
– Equilíbrio emocional em momentos de pressão
– Aumento da autoconfiança

A lista é muito maior, mas aqui já dá pra ter uma boa ideia do quanto a meditação pode fazer bem a sua saúde mental. Principalmente se associada a outros métodos, como o hábito de planejar ou registrar sua rotina.

Bom, mesmo conhecendo todos os benefícios, ainda restam algumas dúvidas de como incorporar o hábito na meditação do dia a dia. Por isso, selecionamos estas cinco perguntas fundamentais para você se convencer de vez a tentar!

[easy-tweet tweet=”Conheça os benefícios comprovados da meditação: “]

5 vídeos para meditar e começar agora mesmo

1) Por que meditar?

A Monja Coen é minha referência na prática da meditação, principalmente pelo esclarecimento do que eu posso alcançar. Quando ouvimos sobre meditação pela primeira vez, os resultados podem parecer muito distantes, porque a mente é abstrata.

Mas será que os resultados são abstratos também? Os vídeos da Monja Coen me mostram que não. Com o tempo, os efeitos da meditação poderão ser vistos na prática, no dia a dia, na forma de agir e perceber si mesmo ou o outro.

Ela também ensina a meditar seguindo o “ritual” dos monges budistas, mas dificilmente sigo à risca. Não consigo ficar com os olhos abertos, por exemplo. Cada um medita como pode, o importante é conseguir ficar em paz para ouvir você mesmo.

[easy-tweet tweet=”5 vídeos para você começar a meditar agora mesmo!”]

2) Sou obrigado a ficar sem me mexer?

Eu adoro esta frase: você não é obrigado a nada. Não pense que a meditação inteira será perda de tempo ou “dará errado” se você não resistir a coçar seu dedinho do pé.

Primeiro: a meditação é um processo natural para a mente, não existe maneira certa ou errada, cada mente sabe o caminho que deve seguir. É a construção de um hábito e uma nova consciência sobre si, portanto, é muito pessoal.

Segundo: o objetivo da meditação é observar a si mesmo no momento presente. Não é eliminar a coceira, por exemplo, mas olhar para ela atentamente. Analisar, sentir a coceira, vivenciar o momento profundamente.

Sabe o que isso significa? Que é possível meditar em qualquer lugar, a qualquer hora, mesmo correndo uma maratona. É o que explica este vídeo:

(O vídeo tem legendas, ative se não aparecerem automaticamente).

Meditar não é um processo puramente mental, pelo contrário, mente e corpo trabalham juntas. É buscar consciência sobre você por completo.

Se decidir meditar da maneira tradicional, com o tempo, você mesmo vai preferir não se mexer. Vai aprender a perguntar àquela coceira o que ela está fazendo ali ao invés de mandá-la embora.

Porém, se não conseguir, tudo bem. Cada um tem um tempo, não se cobre disso ou daquilo se estiver apenas começando.

3) Preciso silenciar a mente?

Parece engraçado, mas NÃO. Esse é um conhecimento tão popular que já se tornou mito. A Monja Coen diz (sim, ela de novo) que o objetivo da meditação não é a morte encefálica, é acompanhar seus movimentos para alcançar um estado de consciência mais profundo.

Existe um termo comum na meditação que se chama “mente de macaco”. É sobre a característica da mente de ser hiperativa e “pular” de um pensamento para o outro incessantemente, se distraindo facilmente. Isso é normal!

A mente é dinâmica, fluida, os pensamentos vem e vão como as ondas do mar. E, como as ondas do mar, é impossível pará-las ou aprisioná-las.

4) Preciso ter religião?

É muito comum associarem a meditação a uma religião específica, principalmente ao budismo. Com isso, muitas filosofias cristãs enxergam a prática como um pecado, enquanto ateus não praticam por achar que têm relação com uma divindade.

Não é bem assim. Como já falamos, a meditação é natural para a mente humana, uma consciência plena que todos podem alcançar. Isso independe de uma crença ou descrença no divino.

Para esclarecer essa dúvida de uma maneira bem neutra, não vamos ouvir monges ou lamas. Vamos à palavra de uma especialista em coaching:

O budismo se denomina uma religião ateísta. As religiões espiritualistas também incentivam a prática para desenvolver a intuição e mediunidade. Quem não tem religião nenhuma frequentemente encontra na meditação equilíbrio mental e emocional.

Concluindo: um ateu tira tantos benefícios da meditação quanto um umbandista. Porque todos temos uma mente, não importa como funciona ou no que ela acredita.

[easy-tweet tweet=”Meditação independe de religião! Saiba mais: “]

5) Qual a maneira mais fácil de começar a meditar?

Para mim, meditação guiada. Foi como comecei e funcionou para a maioria das pessoas que conheço. E nem é necessário muito tempo! Aqui está um vídeo de apenas cinco minutos para você entender o básico e começar a meditar no dia a dia:

É claro, cinco minutos é pouco, mas você mesmo vai perceber isso. Essa é apenas uma maneira rápida e simples de começar. Em pouco tempo, irá procurar vídeos de 10, 15, 20 minutos, talvez mais de uma hora (o YouTube está cheio). Ou talvez não veja mais a necessidade dos vídeos e estenda sozinho seu tempo.

De qualquer maneira, o que custa tentar? Cinco minutinhos diários é um esforço pequeno, comparado aos benefícios que a meditação pode trazer. 😉

Você tinha alguma dessas dúvidas? Já tinha visto algum vídeo para meditar? O post ajudou você a entender um pouco mais sobre a meditação? Ficou incentivado a tentar? Já pratica e tem um depoimento para dar sobre as mudanças que percebeu na sua vida? Compartilhe conosco aqui nos comentários!

Você também vai gostar: